O que é diabetes insipidus

O diabetes insipidus é uma condição rara, caracterizada pela excreção de um grande volume de urina e excessiva ingestão de líquidos devido à sede insaciável. Embora essa característica esteja presente no diabetes mellitus, as duas doenças são completamente diferentes.

Curiosamente, o fato das duas doenças fazerem urinar além do normal é a origem do nome diabetes – “sifão”, enquanto uma tem a urina doce (mellitus), a outra apresenta a urina sem sabor (insipidus).

Não existe cura para o diabetes insipidus, mas tratamentos estão disponíveis para aliviar a sede e normalizar a produção de urina.

Causas

O corpo humano produz, por meio do sistema endócrino, uma série de hormônios, que são substâncias químicas responsáveis por diversas funções, como o ato de sentir fome, o sono, a sede, o bem-estar, entre outros.

Um desses hormônios se chama antidiurético (ADH) ou vasopressina. Ele é produzido pelas células nervosas do hipotálamo, pequena estrutura localizada no cérebro, bem atrás e entre os olhos, da qual desce um cabinho que se liga à hipófise, onde o hormônio é estocado. O hipotálamo controla a temperatura corporal, o apetite e o balanço de água no corpo, entre outras funções muito importantes. A liberação da vasopressina é feita pela porção posterior da hipófise, uma glândula muito pequena, que fica abaixo do hipotálamo.

A vasopressina é secretada quando há sinais de desidratação no corpo e queda da pressão arterial. Com isso, os rins retêm a água no corpo, concentrando e reduzindo o volume da urina. Assim, é possível que a gente não fique sentindo sede o dia inteiro, já que conseguimos reaproveitar melhor a água que já está dentro do nosso corpo!

No diabetes insipidus falta a ação da vasopressina, ou seja, há falta desse hormônio e “vaza” água sem controle do corpo. Isso causa o aumento exagerado do volume de urina, a pessoa começa a urinar excessivamente, o que leva a uma sede insaciável. Também causa aumento da excreção urinária noturna e a pessoa pode perder urina enquanto dorme. A urina tem uma apresentação de cor muito clara ou incolor e a concentração de sódio é muito baixa.

Tipos de diabetes insipidus

1- Diabetes insipidus neurogênico
A falta da vasopressina ou sua quantidade insuficiente causam o diabetes insipidus central ou neurogênico. Isso ocorre, na maioria das vezes, devido à destruição da parte posterior da hipófise, local onde fica armazenada a vasopressina. Por isso, é chamado de diabetes insipidus hipofisário. Embora possa ser chamado de central ou neurogênico.

A hipófise pode ser destruída por vários motivos, desde tumores, infecções, traumatismo cranianos, doenças autoimunes e fatores hereditários.

2- Diabetes insipidus nefrogênico

Ocorre quando há falha da resposta renal à vasopressina secretada pelo organismo. Pode ser causada por defeitos genéticos, uso de drogas ou medicamentos.

3- Diabetes insipidus gestacional

Na gravidez pode ocorrer deficiência de vasopressina causada pela placenta.
Vale ressaltar que descobrir a causa do diabetes insipidus é fundamental para o sucesso do tratamento. Os sintomas são praticamente iguais em todos os tipos, mas cada um necessita de uma terapia diferente.

Diagnóstico e Tratamento

É fundamental procurar um médico ao apresentar os sintomas, pois o diagnóstico tardio pode causar uma desidratação grave, que pode levar a um dano cerebral irreversível ou até à morte.

O médico irá avaliar a história clínica do paciente, os sintomas e solicitar exames de sangue, urina e de imagem.

O tratamento depende do tipo do diabete insipidus. No caso do diabetes neurogênico, por exemplo, existe a possibilidade de controlar o problema de forma efetiva com um medicamento chamando desmopressina (também conhecido por DDAVP), que ajuda a controlar o volume urinário.

Referências
Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia www.endocrino.org.br
Mayo Clinic http://www.mayoclinic.org/

Entre em contato / Agende uma consulta share

sem comentários 

Deixe um comentário!